terça-feira, 3 de março de 2009

Mais um bébé na família

Ontem o M. deu-me a novidade. O primo N. e a M. estão à espera do seu primeiro filho.
Quando me ligou disse-me que tinha uma novidade, e se eu queria mesmo saber o que era. O meu primeiro pensamento foi: Quem é que está grávida desta vez!
Não quero parecer egoísta ou invejosa. Fico muito contente por eles. Mas será pedir muito que a felicidade deles não me entre pelos olhos e pelos ouvidos. Já sei que eles vão ter um filho. Mas não sou capaz de estar entre a restante família a comentar o feliz acontecimento. Apenas quero que vivam a felicidade deles e dos avós longe de mim. Porque não me quero desmanchar em lágrimas ao pé deles, porque não quero dar parte fraca, porque não quero admitir perante a família do M. o quanto eu sofro por não conseguirmos ter um filho.
Apesar do bom folículo da semana passada, estou muito ansiosa à espera que os dias passem. Fico a imaginar se o óvulo terá ou não sido fertilizado. Fico a imaginar se estará ou não uma nova vida a formar-se dentro de mim. Outras vezes penso que os bicharoco do M. não chegaram lá, e que assim um óvulo bom (e raro, está visto!) foi inutilizado!
Aguardo os acontecimentos seguintes em grande ansiedade. Conto os dias do ciclo que parecem que não passam e vivo na minha cabeça a boa ou má notícia.
Por esses dias, quando souber o veredicto deste ciclo e deste óvulo, farei 3 anos de casada. O M. fará 31 anos. Será o dia do pai, e o aniversário do meu sogro. Terei mais de 40 pessoas em casa para a festa de anos do M. E inevitavelmente irá falar-se no novo bébé a caminho, e as pessoas estarão felizes com isso.
Será que aguentarei tudo isto com um sorriso nos lábios se o veredicto for o negativo?