sexta-feira, 8 de fevereiro de 2013

Tão perto e tão longe

Quando estamos neste modo, "em espera", fazemos as coisas mais disparatadas e sem sentido do mundo.
Tinha em casa 5 testes de garvidez que tinha mandado vir o ano passado, mas que, não cheguei a utilizar. 5 dias antes do beta marcado para dia 30 de Janeiro, ou seja a patir do dia 25 de janeiro fiz todos os dias um teste de gravidez. Para meu espanto todos deram positivo, mesmo o teste que fiz apenas sete dias depois da transferência. Confesso que só a muito custo se consegue perceber uma muito ténue linha. Mas esteve lá desde o primeiro dia. Não queria acreditar que o que tanto tinha esperado estava a acontecer. E pela primeira vez tinha um teste de garvidez com duas riscas. Não podia em mim de felicidade.
Ainda sem acreditar, e depois de ter feito o ultimo teste de gravidez que tinha em casa na terça feira, dia 29, véspera do beta hcg com duas riscas evidentes, fiz um teste Clearblue Digital na terça à tarde. Novamente o resultado: grávida 1-2 semanas. Era praticamente oficial. Estava finalmente grávida!
Apesar dos testes positivos a ansiedade na quarta-feira de manhã durante a espera do resultado do beta hcg manteve-se. Até me senti mal... De renpente aparece a bióloga R. a perguntar se eu já sabia alguma coisa. Dise-lhe que não e ela prontamente disse que ia ver, pois o resultado devia já ter saído. Aparece com um sorriso nos lábios e as palavras que eu tanto queria ouvir: "Parabéns, está grávida!".
Esperei ainda para falar com o Dr. S. que apesar do pouco tempo resolveu fazer uma ecografia, mais para ver o estado dos ovários obviamente hiperestimulados e maltratados do tratamento, do que outra coisa qualquer. Vimos os ovários e um pontinho preto que tudo indicava ser um saco gestacional.
Vim para casa, feliz da vida e com a indicação de voltar na próxima quarta-feira, dia 6 de Fevereiro, para a eco das 5 semanas e ver se estava tudo a correr bem.
Foram dias de ansiedade, claro, mas de uma enorme felicidade. Na sexta-feira ansiosa por não saber nada, e nada mais sentir do que o peito inchado e um pouco dorido e as pontadas no útero, voltei a fazer um teste clearblue digital. Volta a aparecer: grávida, desta vez de 2-3 semanas. Estava a evoluir e eu continuava feliz.
Entretabto na segunda feira começam os medos habituais, a ansiedade e uma preocupação enorme. O facto de as coisas poderem não estar a correr bem não me saia da cabeça. Só dizia: "E se amanhã o Dr. S. não vir lá nada?".
A noite de terça para quarta foi terrível. Acordei às 5 da manhã e já não consegui voltar a dormir. Às 8h já estava à espera para fazer a ecografia. Entrei faltavam uns minutos para as 9h. Novamente uma ansiedade terrível e um sentimento de "mãe" de que alguma coisa estava prestes a correr mal. Além disso pela primeira vez sinto que o meu peito já não me doi. Para mim mais um sinal de que as coisas não estavam a correr bem.
Fazemos a ecografia e o Dr. S. só diz que não consegue ver nada. O meu mundo cai naquele momento e eu só pensava em como essa ideia não me abandonava há alguns dias.
Manda repetir a beta hcg para se saber se a gravidez está ou não a evoluir e manda-me aguardar resultados. Entretanto fiquei a saber que a 1º beta hcg tinha tido um valor de 106, normal para uma gravidez, e logo depois de tirar o sangue para análise só consigo ir para o carro e chorar.
Penso em como tinha preferido ter tido logo um negativo do que um positivo com este desfecho. Estou triste, desolada e só penso que ainda bem que não tinha dito a ninguém que estava grávida. Penso na injustiça. Não na injustiça da infertilidade, com a qual eu já aprendi a viver, mas a injustiça de nos darem uma coisa, de nos deixarem sonhar, acreditar e depois, de repente nos tirarem tudo.
De volta ao consultório, cerca de 1h30 depois, o Dr. S. lá me chama para dizer que a beta aumentou para 932. Estava a evoluir dentros dos parâmetros, apesar de lentamente. Mas estava a evoluir. E que era então natural não se ter visto nada na ecografia, pois era quase impossível com valores de bhcg inferiores a 1000 unidades por mililitro. Mandou-me ir para casa, manter a medicação e voltar para a semana, dia 13 de Fevereiro, que então já deveriamos ver alguma coisa.
Perguntei-lhe se podia ficar mais "descansada" dentro dos riscos normais de uma gravidez de tão pouco tempo. Disse-me que sim, que estava a evoluir e que enquanto continuasse a sentir alguns sintomas como o peito dorido e as idas à casa de banho, era bom sinal.
Mas quem consegue ficar calma. Quer fosse por ele não ter visto nada na ecografia, quer pelo evolução lenta do beta hcg não consegui ficar descansada. E só penso que o meu amor pequenino não vai evoluir. E que tudo vai acabar ainda antes de ter começado.
A cabeça não para e a ansiedade volta a tomar conta de mim. Entretanto à noite volto a sentir o peito dorido e tive pela segunda vez (a primeira tinha sido um ou dois dias antes) volto a ter a sensação de vómito.
Quinta de manhã, dia 7 de Fevereiro, resolvo ir fazer novo beta hcg ao laboratório aqui perto de casa para ver se a gravidez continua a evoluir. Desta vez o resultado é de 1700 e qualquer coisa. Vale o que vale, pois é feito num laboratório diferente, mas os números enquadram-se dentro da tabela para as 5 semanas de gestação. Fico ligeiramente menos ansiosa.
Entretanto consigo marcar consulta com a minha ginecologista obstetra. O valor do beta hcg era superior a mil e tinha de ser possível ver alguma coisa na ecografia.. Fui até lá num estada enorme de ansiedade (e logo eu que sou a pessoa menos ansiosa e menos complicada do mundo!), e lá lhe explico o sucedido.
Faço nova ecografia onde agora sim, se vê um pequeno saco gestacional. Nem mesmo assim consigo ficar calma.
O saco gestacional mede apenas 3mm, o que está dentro dos parâmetros para uma gravidez de 4 semanas e não de 5 semanas. Segundo a G.O. pode não querer dizer nada, porque os números valem o que valem e há sacos gestacionais que têm evoluções fora do normal de uma semana para outra.
No entanto a implantação era um bocadinho baixa, mas que isso não era impeditivo de uma gravidez de termo. Via-se à volta do saco gestacional uma mancha que mostra que a implantação estava a ocorrer (em palavras de leiga a agarrar-se!).
Disse-me que em tão pouco tempo tudo poderia acontecer. Que não estivesse a pensar nos valores da beta hgc, pois estava a haver evolução. E que quanto ao tamanho do saco gestacional, só a próxima ecografia com o Dr. S., nos poderia trazer mais respostas.
Portanto nem sim, nem não. O que eu sei é que há uma gravidez comprovada pelo beta hcg e a evoluir ainda que lentamente. E há um saco gestacional pequeno para o tempo de garvidez a implantar-se no útero. Não tive - até ao momento - nenhuma perda de sangue. Continuo com o peito dorido, principalmente à noite. Vou muitas vezes à casa de banho e levanto-me para fazer xixi durante a noite, coisa que nunca me acontece. Tenho tido alguns vómitos, sem nunca ter chegado a vomitar, pelo menos 1 vez por dia. Estas são as minhas certezas.
Não sei se vai ficar tudo bem. Não sei se isto tudo poderá ser apenas um susto. Não sei se há embrião a desenvolver-se dentro do saco gestacional. Não sei se esta gravidez vai continuar a evoluir, ou se na próxima semana tudo terá chegado ao fim. Tenho apenas um monte de incertezas e dúvidas, e coloco tudo nas mãos de Deus, porque na verdade não há nada que eu possa fazer para que tudo isto tenho o desfecho que eu tanto quero.
Infelizmente não tenho grande esperança. Sou demasiado objetiva e sensata para perceber que são demasiados indícios de que algo não está bem. E tenho muita, muita pena.
Ao mesmo tempo só quero ter respostas o mais rápido possível para poder seguir em frente, seja qual for o desfecho.
É lixado ter um tratamento falhado. Custa mesmo muito. Mas isto, esta incerteza e esta dúvida constante, este positivo sem grandes expectativas é muito, mas muito pior...

3 comentários:

Anónimo disse...

Estou passando pela mesma coisa, sempre desejei muito um filho e fi um teste de farmácia e um de sangue e ambos deram positivo e na hora da ecografia nada, chorei muito já tinha contado para todo mundo, mas na próxima segunda vou repetir a eco e se tudo der certo meu bebezinho estará lá e o seu tbm =]

Vanessa Souza disse...

Nossa estou passando pela mesma coisa..., desejo muito ter um filho e a dor da espera e muito ruim, um positivo cheio de incertezas ta sendo muito pior...espero que de certo pra todas nos e se Deus quiser viremos aqui contar os nossos milagres!!!! Um bj e sorte a todas...

Anónimo disse...

Tenho uma filha de 1 ano e 2 meses e meu sonho é ser mãe de novo, mas não posso me dar o luxo de esperar muito, pois tenho 31 anos de idade.
Em fevereiro/2016 engravidei de novo com apenas 3 meses apos a cesarea, fiquei assustada mas ao mesmo tempo mto feliz pelo meu novo positivo, mas 4 dias depois comecei a sangrar, estava de 3 semanas. Fiz a ultra e só apareceu o endométrio espessado. Depois de 1 semana fiz a ultra de novo e apareceu meu utero vazio... fiquei arrasada e destroçada por dentro, mas nao desisti...
Agora,12/2016 descobri q to gravida de novo, to mto feliz mas ao mesmo tempo sem paz de espirito devido ao medo de abortar outra vez, sei q nao suportaria outra perda.
A USG é daqui 8 dias ainda. Passo o dia vigiando se meus sintomas nao somem - to sem nenhum alias, se nao ha sangue na calcinha ou no papel higienico qdo vou ao banheiro, pesquisando na internet sobre abortos, suas causas e como preveni-los... resumindo, quero ter controle sobre algo que nao podemos controlar e isso me amgustia.
Temho acompanhado a evoluçao pelo teste Clearblue com indicador de semanas, nao faço o bhcg quantitativo pois onde moro nao faz esse exame soh c pedido medico e demora pra ficar pronto.
Amanha é para meu bb ter evoluido para a 4 semana e vou descobrir se isso aconteceu qdo fizer o teste. Acho que nenhuma mulher que tanto quer dar a luz ao seu filho merece sofrer a dor do aborto, de ver seu positivo se transformar em desilusao... Bom esse eh meu desabafo...